domingo, 5 de junho de 2011

Filme Indiano "Todas as crianças são Especiais"

Assistimos este filme - Maravilhoso!! - (formação em trabalho), que muito nos tocou, com todas as ressalvas básicas: como a carga culpabilizadora e culpabilizante de sempre, ao jogar para o professor, todas as descobertas possíveis e inimagináveis acerca d@s pupil@s, deixar aos professores o trabalho extra e pelo jeito sem remuneração, de ir sábado e domingo à casa dos parentes destes educand@s e, quando busca, algo diferenciado, este deve arcar com os custos, a organização e o que mais for necessário, sem deixar de estar 'dentro de sala', afinal, recebemos para isso!! E, como se não bastasse, só é possível se realizar algo, se for obrigado por lei, afinal, sabemos que nossos políticos educacionais, nunca o fazem, salvo a lei obrigando-os!
Esse filme indiano (Bollywood), nos mostra outras formas de se ver o mundo, tem de um lado, a escola pública, amarrotada como as nossas - afinal, somos o BRICS (Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul = South África), com um papel grandioso rumo ao futuro, mas com muitas pendências com o presente e passado, a serem suplantados!! - e do outro, assim, como em qualquer parte do mundo em fraco desenvolvimento, a presença de uma classe média em ascensão social e que pode por um filho em uma escola particular diferenciada (Internato, pedagogicamente muito mais conteudista, afinal, é para formar grandes homens!!) e pouco acolhedora ao garoto Ishaan Awashi, com um histórico de grande criatividade, fugas da escola - monótona e alheia à suas necessidades -, e capacidade artística!!

Qual será o papel deste novo professor de artes, na vida desta criança e de todas as outras? Qual sua capacidade de transpor barreiras psicológicas gigantescas? Qual é o papel desta família, ao lidar com o diferente? Qual é a ideia de sucesso, que permeia a vida? Quais são os papeis que nós, professores, temos pela frente para educar para a vida, sem matar a 'vida' de noss@s educand@s, em seus sonhos, suas limitações, aspirações pessoais, que uma sociedade em desenvolvimento teima, em preparar para um futuro, às vezes, pouco brilhante e sem o glamour que a TV bombardeia todos os dias?!!
Qual futuro queremos à noss@s educand@s, essa é a grande pergunta, que, como o paradeiro daquele professor que vivia literatura em vez de ensiná-la, no conto de Rubens Alves, também anda sem resposta!!
Quem o souber, diga aqui!!
O que não podemos é cruzar os braços!!
Trecho sobre o filme de uma Prefeitura em Minas Gerais, que o passou, clica e veja na integra, a proposta:
O filme proposto, de produção indiana, visa a discussão do tema “Como podemos fazer a diferença para o fracasso ou o sucesso escolar de uma criança?”, a partir da história de Ishaan Awashi, um garoto de nove anos, que já foi reprovado na escola uma vez e corre o risco de passar pela mesma situação novamente. As letras dançam em sua frente, como diz o menino, e ele não consegue acompanhar as aulas e nem focar sua atenção. Devido ao seu fracasso, o pai o matricula em um internato, onde acaba conhecendo um professor substituto de Artes, que logo percebe algo de errado pairando sobre Ishaan.

Que saber sobre esse filme, acesse uma excelente resenha, no linque abaixo:

E, quer conhecer o cinema Bollywood (da Índia), aqui está a pedida!!

Quem sabe eu traga algo sobre o Onizuka Sensei (Sensei = professor em Nihongo ou Japonês), e acabamos com esse sentimentalismo todo!! Lindo Filme e seriado deste professor japonês e revolucionário!!

Um comentário:

Sandra disse...

Acho esse filme maravilhoso. Já assisti três vezes e não me canso de ver...nos ajuda a refletir sobre nosso papel na educação, que vai muito além do simples ato de ensinar os conhecimentos específicos de nossa disciplina. É ver o outro como ser humano, que tem suas características específicas e individualidades que precisam ser levadas em conta no processo de aprendizagem...